diabetes-sinais-de-alerta

Diabetes: Sinais de alerta

O Diabetes Mellitus é uma doença silenciosa que afeta milhões de pessoas ao redor do mundo, e que se não tratada, pode ter consequências catastróficas para a saúde, podendo levar a morte. Dados da Federação Internacional de Diabetes – IDF em 2017 demonstram que, 425 milhões de pessoas vivem com diabetes e 374 milhões com pré-diabetes em todo o mundo.

Este mesmo estudo, estima que 12,5 milhões de pessoas já eram diabéticas no Brasil. Considerando que essa é uma doença crônica e progressiva, estima-se que neste mesmo período mais de 16,8 milhões de brasileiros tenham desenvolvido o estágio inicial desta doença, mas apenas 1/3 destes pacientes foram diagnosticados. Apesar disso, 42% das pessoas não sabe o que é a condição e quais são suas consequências.

Dados atuais (Atlas IDF 2019), estimam que o Brasil é o país com maior número de pessoas Diabéticas na América Latina, estima-se que 1 em cada 9 pessoas entre 20 a 79 anos tem diabetes, sendo o Brasil o 5° país no mundo em número de pessoas diabéticas. Entre 2010 e 2016, o diabetes já vitimou com óbitos 406.452 pessoas em território nacional.

De acordo com a IDF (Federação Internacional do Diabetes), em 2035 o número de diabéticos ao redor do mundo pode chegar a 592 milhões caso a doença não seja controlada.

Esse crescimento constante do Diabetes está associado a uma série de fatores sejam genéticos ou relacionados aos maus hábitos no estilo de vida de cada indivíduo.

 

Entendendo o Diabetes

O diabetes mellitus é um distúrbio metabólico que surge das interações complexas entre múltiplos genes e fatores ambientais ou de estilo de vida. Esta doença crônica é caracterizada pela presença de hiperglicemia devido a secreção defeituosa de insulina, ação da insulina ou ambos.

A insulina é um hormônio produzido pelas células β pancreáticas e é responsável pelo controle da glicose sanguínea, permitindo a entrada da glicose para o tecido muscular e adiposo onde é convertida em energia

Nos estágios iniciais da doença, o corpo passa a não reconhecer a insulina produzida, ou reconhecê-la parcialmente, o que faz com que células β produzam mais insulina para suprir o déficit de glicogênio.

As células β, porém, começam a falhar, e a falta de insulina faz com que o corpo não consiga regular os níveis de glicose sanguínea. Como consequência, há falta de energia nas células e excesso de açúcar no sangue.

As duas principais formas desta síndrome resultam ou da falta de hormônio regulador do metabolismo “insulina” (diabetes tipo 1), ou porque os tecidos do corpo não respondem à insulina (diabetes tipo 2). A maioria ou 90% dos pacientes com diabetes têm Diabetes Tipo 2.

O diabetes a longo prazo está associado a várias comorbidades, como disfunção erétil, cegueira, má cicatrização de feridas, insuficiência renal, doença cardíaca, etc. Como resultado de consideráveis danos, à disfunção e falha de vários órgãos são desenvolvidas à medida que a doença progride.

 

Pré-Diabetes

O termo pré-diabetes foi desenvolvido pela Associação Americana de Diabetes (ADA) há alguns anos, como estratégia de conscientização da população e prevenção do diabetes tipo 2. O Pré-diabético está em um estágio intermediário entre uma pessoa considerada saudável e um diabético, sendo portanto, um sinal de alerta para o desenvolvimento da doença.

Alguns exames podem ser realizados para diagnosticar o pré-diabetes. A condição é definida por 3 parâmetros específicos:

• Glicemia de jejum alterada: definida pela glicemia de jejum entre 6,0 e 6,9 mmol/L (100 a 125 mg/dl);
• Tolerância à glicose diminuída: definido pelo teste oral de tolerância à glicose (OGTT), glicemia medida 2 horas após a ingestão de 75 gramas de glicose anidra entre 7,8 e 11,0 mmol/L (140– 199 mg/dl);
• Hemoglobina Glicada (HbA1c): entre 5,7% e 6,5.

Infelizmente, muitos pacientes quando descobrem o diagnóstico pré-diabetico, não enxergam ali uma oportunidade para que a doença não progrida e só haverá consciência da magnitude da doença em si quando ela estiver instalada.

De acordo com a SBD (Sociedade Brasileira de Diabetes), 50% das pessoas com diagnóstico de pré-diabetes irão desenvolver a doença no futuro.

 

Sinais de alerta para o Diabetes

Além dos fatores genéticos e os maus hábitos, existem alguns fatores de risco que podem contribuir para o desenvolvimento do Diabetes Mellitus Tipo 2. São eles:

• Diagnóstico de pré-diabetes;
• Hipertensão;
• Colesterol alto ou alterações na taxa de triglicérides sanguíneos;
• Sobrepeso, principalmente se a gordura estiver concentrada em volta da cintura;
• Pais, irmãos ou parentes próximos com diabetes;
• Doenças renais crônicas;
• Mulheres que deram à luz crianças com mais de 4kg;
• Diabetes gestacional;
• Síndrome de ovários policísticos;
• Diagnóstico de distúrbios psiquiátricos – esquizofrenia, depressão e/ou transtorno bipolar;
• Apneia do sono;
• Uso de medicamentos da classe dos glicocorticoides.

 

Prevenção do Diabetes

A melhor maneira de prevenir o diabetes é lidando com o quadro pré-diabético e impedindo uma possível evolução da doença.

A mudança do estilo de vida, com a prática de atividades físicas e com a reeducação alimentar gerará uma consequente perda de peso o que pode reduzir o avanço do diabetes. Em alguns casos o tratamento farmacológico pode ser indicado, reduzindo ainda mais as chances de desenvolvimento da doença. Os nutracêuticos podem representar uma alternativa complementar ou combinada aos medicamentos prescritos no tratamento de pré-diabetes.

 

Os benefícios à saúde dos flavonóides derivados de cítricos no pré-diabetes

Muitas pesquisas têm sido realizadas sobre a eficácia de flavonóides derivados de cítricos na redução da hiperglicemia, dislipidemia, resistência à insulina e processos inflamatórios sistêmicos, auxiliando assim no gerenciamento da pré-diabetes inter-relacionada às preocupações com a saúde do indivíduo. Embora estudos individuais sobre a promoção da saúde através dos benefícios dos flavonóides de cítricos foram conduzidas no passado, ficou claro que a estratégia terapêutica mais eficaz seria abordar os muitos sistemas fisiológicos que interagir para melhorar a resistência à insulina e captação de glicose em tecidos periféricos.

 

ERIOMIN ™ – Tripla ação no gerenciamento da hiperglicemia e reversão do pré-diabetes

ERIOMIN™ é um princípio ativo desenvolvido por uma empresa norte-americana e é capaz de gerenciar os níveis de glicose sanguínea e reverter o quadro pré-diabético.

ERIOMIN™ é um blend patenteado de flavonoides cítricos com tripla ação atuando diretamente no gerenciamento da hiperglicemia, na manutenção dos níveis normais da inflamação e no aumento da capacidade antioxidante. ERIOMIN™ possui estudos clínicos que comprovam a sua capacidade de reversão do pré-diabetes em 25% dos pacientes.

Quer saber mais? Entre em contato com o nosso time de vendas.

*ERIOMIN™ é importado e distribuído exclusivamente pela Vepakum Farma.

 

American Diabetes Association. Classification and diagnosis of diabetes. Diabetes Care. 2019 Jan; 42 (Supplement 1): S13-S28.

Centers for Disease Control and Prevention. National Diabetes Statistics Report, 2020. Atlanta, GA: Centers for Disease Control and Prevention, U.S. Dept of Health and Human Services; 2020.

Ribeiro CB, Ramos FM, Manthey JA, Cesar TB. Effectiveness of EriominTM in managing hyperglycemia and reversal of prediabetes condition: A double‐blind, randomized, controlled study. Phytotherapy Research. 2019;33: 1921–1933. https://doi.org/10.1002/ptr.6386

Dor: principais causas e tratamentos

Dor: Principais causas e tratamentos

Afinal, o que é DOR?

Quando batemos o cotovelo em uma quina da parede, ou quando damos aquela topada com o dedinho do pé ou então cortamos o dedo com uma folha de sulfite, nesse momento, impulsos elétricos são enviados para o nosso cérebro que por sua vez, reconhece este comendo e envia como resposta uma sensação incomoda que sentimos instantaneamente como sinal de alerta, este sinal é conhecido como “dor”.

A dor é completamente subjetiva e pessoal, podendo variar de indivíduo para indivíduo. Suponhamos que 2 pessoas totalmente saudáveis sejam expostas ao mesmo estímulo, um beliscão no dorso da mão, a percepção de dor (ou nível da dor) de uma pessoa pode ser completamente diferente da outra, mesmo sendo expostas ao mesmo estímulo e sob as mesmas condições.

Por mais que esteja relacionada há um dano tecidual real ou potencial, o que é doloroso para uns, pode não ser doloroso para outros. Tudo depende de como o cérebro interpreta estes estímulos.

Junior Cigano, lutador de MMA, certa vez relatou em uma matéria para o portal de notícias BOL, que prefere levar vários socos no rosto do que ser picado por uma agulha (coisa que a maioria das mulheres tiram de letra). “Quando vou ao médico digo que prefiro 30 socos na cara a enfiarem esse negócio em mim (agulha)”, e complementa, “Na luta existe a sensação de que eu posso me proteger, mas no consultório estou à mercê do médico e só posso aceitar as determinações dele”, se referindo aos exames de rotina que lutadores de MMA são submetidos de forma rotineira.

A dor apresenta características singulares a cada indivíduo, envolvendo fatores psíquicos, socias e até mesmo culturais. O meio em que vivemos pode alterar por completo a nossa percepção da dor. Quando sofremos uma injúria dolorosa, a reação de um ente querido frente ao ocorrido, pode tornar o incidente muito mais doloroso do que realmente é.

 

Por que sentimos Dor?

Apesar da sensação desagradável que a dor nos propicia, ela é vital para o ser humano. A dor é um sinal de alerta, quando sentimos dor, o estímulo instantâneo que ela provoca é de que nós devemos nos afastar daquilo que a causou.

Já imaginou se não sentíssemos dor ao pisar num prego por exemplo? Nós jamais saberíamos do dano que ele teria causado. Queimaduras graves, fraturas e diversas doenças poderiam ter repercussões catastróficas, podendo levar a problemas mais sérios ou até mesmo a morte.

A dor é, portanto, um mecanismo de defesa do ser humano, sendo considerado um sinal vital tão importante quanto a respiração ou a frequência cardíaca.

Os Nociceptores, são sensores presentes em nossa pele, músculos e ossos, e são responsáveis por transformar o estímulo doloroso em impulso elétrico que será levado até o cérebro causando a sensação da dor. O “Mecanismo da Dor” pode ser dividido em 4 etapas, conforme o esquema a seguir:

Os Diferentes tipos de Dor

A Dor é considerada Aguda, quando tem duração inferior a 12 semanas. Normalmente, a dor aguda é decorrente de lesões teciduais ou processos inflamatórios. Quando a dor se estende além desse período, é considerada Crônica e deverá ser acompanhada de tratamento.

A dor crônica pode provocar uma série de reações que se desenvolvem gradualmente, como: cansaço, distúrbios do sono, diminuição do apetite, perda do paladar, diminuição da libido, constipação intestinal. Tudo isso faz com que a dor tenha impactos sociais à vida do indivíduo, podendo acarretar em problemas familiares, no trabalho e em outros pilares da convivência social.

Há também um terceiro tipo de dor, a dor Recorrente, que é caracterizada por períodos de curta duração que cessam e retornam novamente, podendo se estender ao longo de toda a vida do indivíduo.

A dor crônica ou persistente pode se subdividir em 2 tipos, de acordo com o mecanismo pelo qual foi gerada:

Nociceptiva: Resultante da ação direta dos Nociceptores, em resposta a uma lesão tecidual na pele, músculos ou ossos. O estímulo doloroso poderá ser de origem mecânica, química ou térmica.

Neuropática: Lesão ou doença que tem origem no sistema nervoso periférico ou sistema nervoso central. Quem sofre com a dor neuropática normalmente enfrenta problemas físicos e psicológicos, sendo, portanto, mais difícil de se diagnosticar e tratar.

 

A dor no esporte

Atletas de todas as modalidades têm convívio contínuo com a dor. O Excesso de treino, pouco descanso entre as competições, levam o corpo humano ao limite, estes e outros fatores, geralmente são percursores das dores articulares e crônicas.

Foi cientificamente comprovado, que atletas de modalidades como o MMA, futebol e Rúgbi tem maior tolerância a dor do que atletas de outras modalidades, por estarem em convívio constante com a dor.

Mas alguns desses atletas acabam respondendo de maneira diferente a estes estímulos. Estudos comprovam que a exposição prolongada a dor para alguns indivíduos pode estender ainda mais a sensação de dor a longo prazo. Isso ocorre porque as células do local afetado passam a responder mais rápido aos estímulos dolorosos. Com isso, muitos ex-atletas passam a se queixar de dores nas articulações e outras estruturas como o joelho e coluna, que sofrem atrito constante devido ao esporte.

Atletas também convivem constantemente com a DOMS (Dor Muscular de Inicio Tardio). A DOMS caracteriza-se como a dor que sentimos algumas horas depois da pratica esportiva e podendo permanecer por até 48h após a atividade física. Quando essa dor é intensa ou perdura por longos períodos, pode ser indício de alguma lesão a ser tratada.

Os analgésicos podem até parecer a solução, mas a série de efeitos colaterais provocados e o fato de prejudicar o desenvolvimento da musculatura, costumam levá-los de heróis a vilões, sendo, portanto, melhor utilizados em situações de maior necessidade.

 

É possível medir o nível da dor?

Infelizmente, ainda não existe nenhum equipamento que possa medir ou escalonar o nível da dor. Como dito anteriormente, a dor é pessoal e única, podendo ser interpretada e escalonada de acordo com a percepção de cada indivíduo.

Porém, em consultórios médicos, é utilizado um instrumento (normalmente uma régua) com a escala visual analógica EVA da dor. A escala foi utilizada pela primeira vez por Hayes e Patterson em 1921.

A escala, deve ser lida da esquerda para a direita, de 0 a 10, e é utilizada para rastrear a progressão da dor durante o processo de tratamento do paciente.

 

 

A escala EVA também é utilizada para medir outras sensações, como o humor, apetite, qualidade do sono e etc. Existem evidências conflitantes relacionadas a eficácia da escala EVA, porém, ainda é o método mais utilizado dentro de clínicas e consultórios médicos.

 

Principais causas da dor

Doenças, lesões, progressão da idade, dentre outras causas que podem ser originadas por conta de alguns hábitos do cotidiano, podem trazer consequências sérias a saúde.

Idade – De acordo com a Sociedade Brasileira do Estudo da Dor (SBED), cerca de 2/3 da população idosa sofre com algum tipo de dor. Com o avanço da idade, o corpo fica mais frágil, há perda de musculatura e massa óssea e o sistema imunológico não possui mais a mesma capacidade de proteção contra doenças e infecções. Doenças relacionadas a saúde óssea são extremamente comuns nessa fase da vida.

Alimentação inadequada – A má alimentação pode trazer sérias consequências à saúde, facilitando tanto o surgimento de doenças quanto favorecendo o aparecimento de dores e lesões já existentes. Frituras, embutidos, gorduras, açúcar e o álcool provocam a ação intensificada dos radicais livres e dos processos inflamatórios.

Sedentarismo – A musculatura fica fraca, fica mais difícil de controlar o peso na balança e a energia desaparece. Dores nas costas e membro inferiores podem se tornar recorrentes e outros problemas de saúde podem surgir.

Sobrepeso e Obesidade – Normalmente são associados ao sedentarismo e a má alimentação. Quando ganhamos peso, a musculatura começa a perder a capacidade de sustentar o peso do corpo por si só, podendo provocar dores musculares e articulares, principalmente nos membros inferiores. O ganho de peso também facilita o surgimento de diversas outras doenças, o que torna a obesidade uma das maiores vilãs da saúde.

Exercitar-se da maneira errada – O exercício físico pode ser a solução contra o sedentarismo, porém, se praticarmos a atividade física da maneira equivocada ou levarmos o nosso corpo além do limite, lesões e outros problemas podem surgir com facilidade. Na fase inicial da prática esportiva, a orientação de um profissional é essencial para obtermos melhores resultados e evitar possíveis lesões decorrentes da prática esportiva.

Estresse, ansiedade e distúrbios do sono – Um problema pode levar ao outro, e ambos dificultam o bom funcionamento do organismo. São capazes de elevar a sensibilidade a dor e diminuem a capacidade analgésica natural do cérebro. Estresse, ansiedade e noites mal dormidas também podem favorecer a má alimentação, o sedentarismo e o ganho de peso.

 

Tratamento para a dor

O primeiro passo é identificar a origem da dor para assim, poder trata-la. A medicação se torna crucial para o tratamento, sobretudo, da dor crônica. Outras medidas importantes também podem ser adotas em conjunto com os medicamentos para solucionar o problema.

A terapia medicamentosa pode ser composta analgésicos e anti-inflamatórios, ou até mesmo opioides no caso das dores agudas e crônicas. A despeito da dor crônica, principalmente a neuropática, o paciente pode enfrentar problemas psicológicos por conta da dor incessante, e outros tipos de medicamentos podem ser incluídos na terapia.

Em alguns casos mais graves, dependendo de sua origem, a dor pode permanecer por toda a vida do paciente, e além do auxílio médico, o auxílio psicológico deve ser incluído no tratamento. A impossibilidade de realizar certas atividades e/ou problemas com o convívio social podem além de agravar a dor, gerar outras enfermidades relacionadas a saúde mental.

Atividades que funcionam como terapias alternativas e complementares podem ajudar o tratamento. Além das atividades físicas, as massagens terapêuticas, meditação, e até mesmo a acupuntura podem auxiliar no combate ou na melhora da dor. Mas lembre-se de consultar o seu médico antes de iniciar uma atividade de qualquer espécie.

 

Rephyll – Alívio para a dor (sem efeitos colaterais)

Medicamentos prescritos para o tratamento da dor, como analgésicos, anti-inflamatórios e opioides podem até resolver momentaneamente um problema, mas por apresentarem uma série de efeitos colaterais como dores de estomago, diarreia ou constipação, náuseas, entre muitos outros, acabam se tornando tão incômodos quanto a dor original.

Como alternativa, a Vepakum Farma trouxe com exclusividade REPHYLL® para o mercado brasileiro. REPHYLL® é um Fitocanabinóide, e o β-Cariofileno presente em REPHYLL® se liga seletivamente aos receptores canabinóides CB2, proporcionando o alívio para dor.

Além de possuir propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes, REPHYLL® não causa efeitos colaterais, presentes em outros produtos do mercado. REPHYLL® é um produto VEGANO e 100% natural.

o-que-e-doms-dor-muscular-de-inicio-tardio

O que é DOMS? A Dor Muscular de Início Tardio

Para esta data em que se comemora o “Dia do Esportista” vamos falar sobre um tema que todo atleta, desde o ocasional até o atleta profissional, já conhece bem: a Dor.

Quando somos iniciantes na prática de atividades físicas ou quando estamos voltando após um longo período sem atividades regulares, a dores tendem a ser mais intensas, como resposta à estímulos musculares que seu corpo não estava acostumado a receber. Mas ao mesmo tempo, atletas mais experientes, principalmente os de alto rendimento, convivem com a dor constantemente, mesmo que em menor intensidade, e alguns atletas podem até se “acostumar” com ela.

Mas enfim, o que é essa dor que sofremos algumas horas ou até dias depois de nossa rotina de exercícios?

 

Dor Muscular de Início Tardio – DOMS

Aquela dor muscular nas pernas que permanece no dia seguinte após uma longa corrida? Ou então aquela dor nos braços depois da musculação, que muitas vezes permanece durante dias após o treino intenso? Essa dor tem nome: Dor Muscular de Início Tardio, também conhecida como DOMS (Delayed Onset Muscle Soreness).

Durante os exercícios físicos causamos micro lesões nas fibras musculares, e como consequência é gerado um processo inflamatório decorrente deste esforço físico, e então se inicia o processo de reparação muscular, onde se reconstituem fibras mais “fortes” favorecendo o ganho de massa muscular o que conhecemos como “hipertrofia” e esta é a causa do surgimento da dor.

Normalmente a DOMS aparece 24h após a atividade física e atinge seu pico entre 48h e 72h depois do exercício. Porém, dores mais intensas ou prolongadas podem ter efeitos negativos para quem almeja o desenvolvimento muscular, pois a rotina de treinos poderá ser prejudicada devido à intervalos inesperados que a presença de dor pode causar.

Cuidado! Dores que se estendem por longos períodos de tempo ou possui alta intensidade, podem ainda ser indício de alguma lesão.

 

Devemos treinar mesmo com Dor?

Como comentamos, muitas vezes a dor nos faz pular o treino e alterar toda a rotina de exercícios, prejudicando a evolução para quem busca melhorar o seu desempenho e alcançar bons resultados.

Mesmo que a dor esteja presente, o ideal é que não se pule a rotina de exercícios. Mude a intensidade ou o grupo muscular a ser trabalhado e continue seguindo em frente.

Com a alimentação adequada e uma boa dose de descanso, as fibras musculares irão se regenerar adequadamente para uma nova bateria de exercícios.

Se você procura o ganho de massa muscular, jamais fique “parado” por muito tempo, pois todo o trabalho que realizou na academia pode vir por água abaixo e você poderá perder os músculos que conquistou.

 

É possível evitar a DOMS?

Como dito acima, além de uma alimentação adequada e uma boa dose de descanso para ajudar na recuperação. Não force muito os músculos que já estão doloridos e se necessário, evite treinar o grupo muscular afetado. Antes de qualquer treino o ideal é realizar uma sessão de alongamentos e um aquecimento leve. Não se esqueça que o sono também é importantíssimo para o processo de regeneração muscular.

Se você estiver iniciando na prática de atividades físicas, pegue leve e tenha paciência. Não adianta levar o seu corpo além do limite, isso não irá favorecer o processo de ganho de massa muscular e ainda poderá causar lesões mais graves. “No Pain No Gain” é válido até certo ponto, a dor não necessariamente está relacionada ao processo de ganho de massa muscular.

Proteínas e aminoácidos ingeridos através de alimentos e suplementos também irão auxiliar na reconstrução das fibras musculares. Um médico ou nutricionista são essenciais para indicar a quantidade de proteínas necessárias assim como a quantidade ideal de outros nutrientes, maximizando os ganhos e facilitando a recuperação.

 

REPHYLL®: Alívio da dor e combate a DOMS

A Vepakum Farma trouxe com exclusividade para o mercado brasileiro, o REPHYLL®. Extraído da Piper Nigrum e 100% natural, o fitocanabinóide β-cariofileno presente em REPHYLL® proporciona o alívio da dor e possui propriedades antinflamatórias e analgésicas.

A partir da ZEAL™ Technology, o β-cariofileno presente em REPHYLL® é lipossomado, garantindo a sua alta biodisponibilidade e eficácia. REPHYLL® é um agonista seletivo dos receptores CB 2, responsáveis pelo alívio da dor e consequentemente da DOMS.

Estudos mostram que REPHYLL® além de aliviar a dor, proporciona um aumento da força isométrica e do ângulo do musculo relaxado.

Você não pode parar! REPHYLL® é indicado tanto para atletas de alto rendimento que necessitam de uma recuperação mais rápida, quanto para atletas iniciantes que tendem a conviver com a DOMS por maiores períodos de tempo e com maior intensidade.

A poluição está prejudicando a sua pele

A poluição está prejudicando a sua pele

A agitação dos grandes centros urbanos é estimulante e pode até mesmo ser vista como um grande atrativo, cidades 24 horas onde todos ao nosso redor têm pressa, prédios altos e um trânsito ininterrupto são considerados o grande sonho do jovem moderno.

Porém o glamour da vida em centros urbanos pode ser bastante diminuído quando consideramos a má qualidade do ar e todos os efeitos danosos que ele acarreta a nossa saúde.

Assim como a radiação solar, a poluição é um dos fatores externos que mais agridem a nossa pele, principalmente para quem vive nos grandes centros urbanos. Quando falamos de poluição, temos a sensação de que seja irrelevante ou inexiste uma vez que não a vemos, porém, números recentes mostram que 91% da população mundial vive em locais onde a qualidade do ar está abaixo do recomendado pela Organização Mundial da Saúde.

Os níveis da poluição podem variar de acordo com o horário do dia, estação do ano, ou variações geográficas, alterando a composição do ar.

 

Os efeitos negativos da poluição para a pele

Estudos realizados na China, onde a poluição atmosférica é extremamente alta mostram que diferentes agentes poluentes são responsáveis pelo estresse oxidativo (e consequentemente o envelhecimento precoce), acelerando a formação de rugas e linhas expressão, assim como o aparecimento de manchas ou outras irregularidades pigmentares.

Um estudo inédito e recente da USP e realizado na cidade de São Paulo pôde afirmar que “…Uma hora de deslocamento no trânsito de São Paulo equivale a fumar cinco cigarros”. Podemos a partir deste estudo extrapolar os efeitos nocivos desta poluição não apenas em nível sistêmico, mas como ela se comporta ao atingir a nossa pele.

Não se sabe ainda como esses agentes poluentes podem provocar todas essas alterações em nossa pele, mas já se sabe de sua capacidade de penetração na barreira cutânea e a consequente ação de radicais livres.

Acredita-se que a radiação UV pode ainda potencializar os efeitos da poluição sobre a pele, piorando ainda mais o quadro de quem não faz o uso de protetor/bloqueador solar regularmente.

 

E como proteger a pele da ação da poluição?

A proteção da pele contra agentes poluentes já é uma necessidade no mercado. É possível encontrar cosméticos com ação antipoluição disponíveis no mercado brasileiro, que já podem ser inseridos na sua rotina de cuidados diários.

O SEPITONIC™ M3, da francesa SEPPIC, é um princípio ativo que além de ação antipoluição e antioxidante, possui ação antiglicante, e pode ser manipulado em uma farmácia com manipulação de sua preferência.

A poluição também danifica a microbiota da pele, que é considerada a primeira barreira de proteção contra os agentes externos. EQUIBIOME™, outro ativo SEPPIC, poderá ser incorporado à sua formulação trazendo o equilíbrio da microbiota da pele e evitando a ação de microrganismos nocivos.

Após a aplicação de um bom cosmético antipoluição pela manhã, não se deve esquecer o uso do protetor/bloqueador solar diariamente.

 

Eletrosmog: um outro tipo de poluição?

Também conhecida como poluição eletromagnética, o Eletrosmog nada mais é do que a poluição eletromagnética emitida pelos dispositivos eletrônicos e redes sem fio. Wi-Fi, 3G, 4G são os principais responsáveis pelo Eletrosmog.

A poluição eletromagnética também provoca a ação dos radicais livres, além de danificar o DNA das células da pele.

E qual a solução para isso? Calma, você pode continuar utilizando o seu smartphone e a sua rede Wi-Fi. Uma novidade para o mercado cosmético são os cremes que protegem a pele da radiação Wi-Fi.

RADICARE®-GOLD, é um princípio ativo de origem suíça, que além de proteger a pele contra a radiação Wi-Fi, protege a pele contra a luz visível, que também está presente em seus dispositivos eletrônicos.

A manipulação é uma excelente alternativa diante de tantos cuidados diários necessários. Em vez de comprar 3, 4 ou 5 cremes em uma farmácia ou perfumaria convencional, você pode manipular apenas 1 formulação contendo todos esses ativos citados acima. Você vai levar menos tempo para cuidar da sua pele gastando muito menos. Vale a dica!

6 Tendências do mercado cosmético e da beleza para 2020

6 Tendências do mercado cosmético e da beleza para 2020

2020 está só começando, e neste post vamos falar um pouco das tendências que prometem abalar o mercado cosmético este ano.

A beleza está mais inclusiva do que nunca, atravessando gerações e etnias. A sustentabilidade também não fica de fora, deixando visível a preocupação com o planeta, o segmento vem investindo cada vez mais produtos naturais e/ou sustentáveis.

 

1. Cosméticos não tem idade: a beleza após os 40

A primeira tendência que promete para o mercado em 2020 é a preocupação com os babyboomers e a geração X.

Em uma pesquisa realizada pela marca L’Oréal Paris (uma das marcas que até então mais conversavam com este público), revelou que as mulheres de 45 anos ou mais se sentem negligenciadas. As marcas pouco conversam com elas, e seus produtos ficam restritos apenas a produtos “anti-aging”. As mulheres que estão na menopausa também representam uma categoria que foi mal atendida até então.

Algumas marcas já estão observando com outros olhos essa categoria do mercado e prometem trazer soluções específicas para esse público.

 

2. Beleza inclusiva

Assim como a preocupação com as outras gerações, outra tendência para 2020 é a inclusão das mais diversas etnias no mercado cosmético e da beleza.

Por muitos anos, a desigualdade de produtos encontrados nas prateleiras para consumidores de origem caucasiana em relação a pele negra e asiática era visível. Hoje o mercado está evoluindo, e para este ano, as marcas prometem inserir ainda mais produtos voltados para todas as etnias, trazendo uma beleza mais inclusiva em 2020.

Outra novidade, é o crescimento de empresas e produtos sem foco de gênero ou com gênero neutro, que podem ser utilizados tanto pelo público feminino quanto para o público masculino.

 

3. E falando neles… O BOOM do mercado cosmético masculino

O público masculino está ávido por produtos específicos para eles. Uma pesquisa feita pela Allied Market Research prevê um crescimento anual de 5,5% para o mercado global de cuidados pessoais masculinos, e se continuar nesse crescente, poderá atingir até R$166 bilhões em 2022.

E isso tudo vai além de produtos voltados apenas para cuidados com a pele, barba e cabelos, alguns especialistas afirmam que este ano, a maquiagem para homens vai vir com tudo, quebrando tabus e estabelecendo um novo mercado de consumo.

 

4. Antipoluição e proteção Wi-Fi

Tendências já anunciadas em 2019 que prometem crescer ainda mais em 2020.

A nossa pele também paga o preço da industrialização e da globalização. Números mais recentes mostram que 91% da população mundial vive em locais onde a qualidade do ar está abaixo do recomendado pela organização mundial da saúde. Portanto, a necessidade por produtos antipoluição vem se tornando tão essencial quanto por um bom protetor solar, e o mercado já está percebendo isso.

Assim como a poluição, a radiação Wi-Fi e os danos que ela gera à pele, também é um tema que vem sendo pauta de estudos ultimamente. O vilão no caso, seria o Eletrosmog, que se resume na sujeira emita por dispositivos eletrônicos e redes sem fio como a rede Wi-Fi, 4G, 5G, dentre outras, que danificam o DNA das células através da ação dos radicais livres.

Alguns ativos já são capazes de combater os danos gerados pela exposição à radiação Wi-Fi e a luz azul. Dentre eles, indicamos RADICARE®-GOLD, exclusivo aqui da Vepakum Farma.

 

5. Microbiota da pele

Um dos Trending Topics em 2019 foi a Microbiota da pele. Assim como em nosso intestino, existem trilhões de microorganismos que habitam a superfície cutânea, cujo equilíbrio é primordial para manter uma pele saudável, hidratada e livre de desordens cutâneas.

Cotados como uma grande tendência em 2020 para o mercado internacional, os produtos que promovem o equilíbrio para a microbiota da pele vêm tomando um grande espaço internacional e, estima-se que em breve, serão tão populares quanto produtos anti-aging e para acne.

Para um perfeito equilíbrio da microbiota da pele indicamos EQUIBIOME™.

 

6. Bem-estar e saúde sexual

Parece que a indústria cosmética está realmente determinada a quebrar tabus. Soluções que promovem a beleza e a saúde do órgão genital feminino foram muito comentadas na The Indie Beauty Expo London 2019, através de várias marcas emergentes voltadas para o segmento.

Apesar de ainda ser um mercado cru e pouco explorado, os chamados “produtos de beleza vaginal” estão ganhando destaque mundo afora. Há uma previsão de crescimento de $39 Bilhões até 2024 para o setor.

Cosméticos manipulados: a escolha ideal para o Verão - Vepakum Farma

Cosméticos manipulados: a escolha ideal para o Verão

O verão chegou, e sendo a estação mais quente do ano, é nessa época que acabamos nos expondo mais ao sol, pois, utilizamos roupas mais curtas, tiramos o bikini do armário, frequentamos praias e piscinas, e tudo aquilo que temos direito para aproveitar o melhor da estação.

Os danos gerados pela exposição solar, como o aumento da oleosidade da pele ou o ressecamento dos fios dos cabelos, são alguns dos problemas mais recorrentes durante verão.

Cosméticos manipulados se tornam ótimas opções personalizadas para você se cuidar neste período, com uma fórmula manipulada específica para o seu tipo de pele e/ou cabelo, de maneira mais efetiva do que os produtos industrializados.

 

Proteção solar e pós-sol

Todos conhecemos os danos que a exposição solar por períodos prolongados em uma pele desprotegida pode gerar. O protetor solar deve ser utilizado todos os dias, sem exceção! Se até mesmo durante o inverno a pele desprotegida sofre com os danos causados pela radiação UV, imagine no verão quando existe o aumento da incidência dos raios solares diretamente sobre a nossa pele.

A Sociedade Brasileira de Dermatologia recomenda protetores solares com fator de proteção solar mínimo FPS 30. Sendo que esse fator de proteção é recomendado até mesmo para os fototipos mais altos, como os fototipos V e VI. ⠀

Para as peles mais sensíveis, como os fototipos I e II, são indicados os protetores com FPS 60 ou acima. Fototipos III e IV podem optar pelo FPS 50 no início do verão, podendo reduzir ao final da estação, quando a pele está mais bronzeada.

Ao contrário do que muitos pensam, o protetor solar não impede o bronzeamento. Ele absorve uma fração dos raios solares, fazendo com que a pele receba uma carga de energia menos agressiva, facilitando o bronze e evitando o aspecto “camarão”.

Depois de tomar aquele banho de sol, mesmo que tenha aplicado o seu protetor solar corretamente, o ideal é que se faça a aplicação de um creme ou loção pós-sol com princípios ativos, que auxiliam a reparação do tecido cutâneo e reduzem os danos causados pelo sol.

Recomendamos a manipulação de fórmulas com CELLIGENT®. Este princípio ativo é capaz de restaurar o DNA das células danificadas pela radiação UV, além de fornecer um sistema de reforço para a pele, neutralizando a ação dos radicais livres.

 

Hidratação da Pele

A exposição solar excessiva, provoca a perda da água transepidermal, favorecendo a desidratação da pele. Por isso é tão importante utilizarmos um bom princípio ativo hidratante. Mas o ideal é que este princípio ativo seja incorporado em uma formulação de gel-creme, já que as emulsões podem aumentar a oleosidade da pele.

Lembrando que peles oleosas também devem ser hidratadas! Um ativo com ação saborreguladora poderá ser incorporado à formulação para combater a oleosidade.

MYRAMAZE®, é um princípio ativo de origem Suíça, que fornece hidratação efetiva por até 48H, sem parabenos, sem óleo mineral e sem ingredientes de origem animal. MYRAMAZE® também aumenta o sistema de reforço cutâneo, promovendo a revitalização e melhora da textura da pele.

 

Combate à oleosidade

Durante o verão, o calor faz com que a nossa pele produza uma maior quantidade de sebo, o que acaba gerando maior oleosidade cutânea. E para quem já sofre com a pele oleosa durante o ano todo, é no verão que os cuidados devem ser redobrados.

Invista em uma solução menos oleosa (como um gel, por exemplo) com um bom ativo de ação seborreguladora. Com aplicações diárias, pela manhã e à noite, são o suficiente para combater a oleosidade, e evitar o aparecimento de cravos e espinhas.

Uma boa opção é utilizar um gel contendo SEBOCLEAR™-DB, um ativo de origem francesa, exclusivo aqui da Vepakum Farma, que diminui a oleosidade da região tratada e ajuda a eliminar cravos e espinhas de maneira eficiente.

 

Cuide de seus cabelos

A pele não é a única que sofre o com a exposição solar durante o verão, os cabelos também sofrem com a radiação solar. Como se não bastasse, a água do mar, o cloro e a poluição prejudicam ainda mais os fios.

Para evitar que os fios fiquem ressecados e sem brilho por conta da ação desses fatores prejudiciais, temos que manter a hidratação dos cabelos sempre em dia. Para isso, recomendamos AQUAXYL™, que pode ser incorporado à várias formulações capilares. AQUAXYL™ irá hidratar profundamente os fios através de sua hidratação 3D Hydraconcept.

Para evitar maiores danos e reparar os cabelos danificados, recomendamos uma formulação com SEPICAP™ MP. Este princípio ativo á capaz de recuperar a massa capilar e devolver a maciez dos fios. E se você usa secador e/ou chapinha, SEPICAP™ MP ainda tem função termoativa, que potencializará a ação do ativo sob condições de estresse.

Você poderá manipular um excelente Leave-in para o verão com SEPICAP™ MP + AQUAXYL™, que tal a ideia?

 

Contra as estrias e celulites

As estrias e celulites são motivo de constrangimento para muitas mulheres, principalmente ao frequentar lugares públicos como praias ou piscinas. Quem não quer ficar com o corpo em dia, e a pele lisinha para poder colocar o bikini e curtir o verão sem preocupação?

Sabemos que a pratica de atividades físicas regulares e uma boa alimentação contribuem para evita-las. Mas existem princípios ativos que podem ser incorporados a formulações cosméticas que auxiliam no combate as estrias e celulites.

Contra as estrias, recomendamos LIFTONIN®-XPERT, premiado ativo da RAHN Group, distribuído pela Vepakum Farma aqui no Brasil, que reduz em até 53% a aparência das estrias em menos de 3 meses de uso.

Para o combate as celulites, indicamos RHODYSTEROL™. Princípio ativo proveniente das algas vermelhas com estudos que comprovam sua capacidade de diminuir o efeito casca de laranja, além de melhorar a textura e tonicidade da pele.

Como realizar uma Black Friday de sucesso na sua Farmácia de Manipulação

Como realizar uma Black Friday de sucesso na sua Farmácia de Manipulação

A Black Friday está chegando! Uma das datas mais aguardadas do ano para o varejo e seus consumidores.

Uma pesquisa recente do site Reclame Aqui, mostra que mais de 70% dos consumidores brasileiros pretendem comprar nessa Black Friday 2019. Os números também mostram que o evento já foi aderido pela maior parte da população brasileira: mais de 80% dos entrevistados relataram que já compraram em edições anteriores da Black Friday.

As Farmácias de Manipulação também podem embarcar nessa e aproveitar uma das datas mais lucrativas do ano. Nesse post, vamos ajudar você a preparar a sua Farmácia para realizar uma Black Friday de Sucesso, confira as dicas:

 

Planejamento e investimentos de Marketing

Um Planejamento correto e com antecedência permite criar estratégia com eficiência e minimizar possíveis problemas em sua campanha.

Avalie bem o mercado, procure as tendências do momento, confira aquilo que é mais pedido pelos prescritores e analise o que foi mais vendido nos últimos meses. Esses ativos e fórmulas merecem uma atenção especial em sua Black Friday.

Dispare e-mails marketing para clientes cadastrados, envie mensagens para os seus contatos via WhatsApp e disponibilize uma verba de Marketing para investir em mídias pagas como Facebook Ads, Instagram Ads. Se tiver um Web Site, também é interessante informar os seus clientes em uma área de destaque ou uma Landing Page, sobre as suas ofertas. Você poderá promover as suas páginas promocionais utilizando ferramentas como o Google Adwords.

Vista a sua farmácia com a campanha e promoções na parte interna e externa. Flyers, displays take one, banners, cartazes e demais instrumentos de Marketing podem ser utilizados para compor a atmosfera da Black Friday. Os funcionários também poderão “vestir a camisa” literalmente, aderindo à campanha.

IMPORTANTE: Não se esqueça de calcular bem os estoques de ativos, embalagens e demais itens que irão compor as suas fórmulas, afinal, você não vai querer ficar sem aquela fórmula top de vendas nas primeiras horas da Black Friday, não é mesmo?!

 

A Black Friday é o foco

A sexta-feira é o foco, como manda a tradição. Você até poderá realizar uma campanha pré Black Friday, para testar as reações do consumidor e ver os produtos que terão maior adesão à campanha.

Porém, é na sexta-feira de Black Friday que a farmácia deverá fazer os melhores descontos e ofertas para os seus produtos. Nesse dia os clientes vão às compras, prontos para gastar, procurando pelas melhores oportunidades. Portanto, capriche nas promoções!

 

Alinhamento com Vendas

Um dos principais fatores que fazem uma campanha de Marketing falhar, é o alinhamento eficaz de Marketing com Vendas.

Certifique-se que sua equipe de vendas esteja bem alinhada com tudo aquilo que está sendo ofertado on e offline, como prazos, condições de pagamento, e também com o calendário de início e o término das promoções (caso haja condições especiais anteriores ou posteriores a Black Friday).

Isso fará com que o cliente tenha um atendimento mais ágil e eficaz, além de evitar o desencontro de informações.

 

Cuidado com a Black “Fraude”

Quem nunca ouviu falar em Black Fraude, ou então “tudo pela metade do dobro”? Diferente do que acontece tradicionalmente nos EUA, aqui no Brasil nos deparamos constantemente com algumas promoções com baixas margens de desconto e produtos que não compensam ser adquiridos na Black Friday.

Cuidado com esse tipo de promoção, pois no final das contas, algo que poderia ser lucrativo, pode ter um efeito negativo e passar uma imagem ruim para os seus consumidores.

Se ponha no lugar de seu consumidor, e faça promoções que realmente compensem, principalmente no dia de Black Friday. E nada de elevar os preços algumas semanas antes para depois baixar! Pode parecer que não, mas muitos clientes notam essa estratégia, principalmente aqueles que estão se programando a mais tempo para o dia.

 

Campanhas pós-Black Friday

Suas promoções não precisam acabar na última sexta-feira do mês.

É uma ótima estratégia para continuar vendendo aquelas fórmulas que não emplacaram como o planejado, e aliviar os estoques da sua farmácia de manipulação. É de costume aqui no Brasil realizar algumas ofertas após a Black Friday. Você poderá aproveitar este momento estendendo algumas promoções ou realizando novas, para atrair aqueles consumidores que não conseguiram realizar as suas compras no dia.

Esperamos ter ajudado você a preparar uma Black Friday de sucesso para sua farmácia. Desejamos boa sorte, e que tenha sucesso nas suas vendas!

 

O perigo dos Microplásticos nos produtos cosméticos

O perigo dos Microplásticos nos produtos cosméticos

Já ouviu falar em Microplásticos? Como o próprio nome diz, os microplásticos são pequenas partículas de plástico, algumas invisíveis a olho nu, e são considerados um dos grandes poluentes do mundo moderno.

Os microplásticos tem origens variadas, e não ficam apenas restritos ao descarte inadequado (e degradação) de produtos plásticos em geral. Pesquisas apontam que até mesmo a lavagem de roupas que contenham um tecido como o poliéster por exemplo, composto por fibras de plástico, pode disseminar microplásticos para o meio ambiente.

Mas o que tudo isso tem a ver com o seu cosmético? Infelizmente, alguns cosméticos também não ficam de fora, pois, possuem partículas plásticas em sua composição.

Esse tipo de poluição está afetando diferentes ecossistemas. Pequenas partículas de plástico podem ser encontradas nos oceanos, no solo, nas fontes de água doce e até mesmo no ar que nós respiramos! Como resultado, os microplásticos não prejudicam apenas a vida dos animais que habitam esses ecossistemas, mas também a nossa vida cotidiana, afinal, é da natureza que extraímos o nosso alimento. Peixes e outros seres vivos oriundos da vida marinha são extremamente afetados pela poluição microplástica, que é considerada um dos principais poluentes dos oceanos. Esses animais acabam por ingerir quantidades significativas de microplástico causando danos a biologia marinha que ainda não podem ser mensurados. Por sua vez, o ser humano que se alimenta de peixes e frutos do mar, acaba se intoxicando por esse tipo de poluição. Os danos à nossa saúde que o consumo ao longo dos anos pode causar, ainda são objetos de estudo para os pesquisadores e cientistas.

Alguns pesquisadores definem que os microplásticos tem tamanho máximo de 1 milímetro, enquanto outros definem que o tamanho máximo é de 5 milímetros.

 

Microplásticos na Indústria cosmética

Como comentamos, os microplásticos também estão presentes na indústria cosmética.

Os cremes, géis e sabonetes esfoliantes são os principais inimigos do meio ambiente e dos oceanos, por conterem uma quantidade significativa de micropartículas de plástico. As microesferas encontradas na maioria dos cremes e géis esfoliantes presentes no mercado são compostas por materiais plásticos sintéticos como o polipropileno e polietileno. Quando vão para o ralo, essas esferas não podem ser recicladas e nem se decompõe em estações de tratamento de água, e certamente serão despejadas no meio ambiente, assim como nos oceanos.

Mas, não são os produtos cosméticos os únicos que utilizam microplásticos em sua composição. Alguns produtos de higiene pessoal como cremes dentais, shampoos e géis de banho também possuem partículas plásticas. Pensando nisso, tramita na Câmara dos Deputados um projeto de lei que proibiria a manipulação, a fabricação, a importação e a comercialização, em todo o território nacional, de produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumaria que contenham a adição intencional de microesferas de plástico.

CALMA, CALMA, não se desespere! Viemos trazer uma solução para que os seus cosméticos tenham a funcionalidade de um esfoliante e a segurança de um produto ECOCERT.

Algumas empresas do mercado já oferecem alternativas aos cremes esfoliantes tradicionais, substituindo as esferas de polipropileno por partículas naturais Eco Friendly, que não agridem o meio ambiente.

Aqui na Vepakum Farma temos o FOSSIL PEELING POWDER (produto com Certificação ECOCERT), que é uma alternativa 100% natural aos esfoliantes sintéticos. Extraído das diatomáceas do mar Mediterrâneo, o FOSSIL PEELING POWDER possui uma excelente ação esfoliante e suas microesferas com formato arredondado proporcionam uma esfoliação suave extremamente eficaz e sem agredir a sua pele. Sendo recomendado para aplicação em cremes, géis e sabonetes, você poderá fazer uma esfoliação facial e também corporal para eliminar células mortas e deixar a sua pele ainda mais hidratada e iluminada.

 

Faça a sua parte

Você pode contribuir com o meio ambiente! Procure no mercado alternativas Eco Friendly de produtos cosméticos e de higiene pessoal. Lembre-se: toda a poluição que você produz poderá voltar para o seu próprio organismo. Contribuir com o meio ambiente é contribuir com a sua saúde e com a saúde de todos!

editada

A importância de realizar um check-up médico anual

Você costuma a fazer exames de rotina anuais? Não importa se você é homem, mulher, tem 20, 30, 40 ou 50 anos de idade, o ideal é que seja feito um check-up uma vez ao ano. Mesmo que você esteja se sentindo muito bem, realizar alguns exames propicia uma análise mais assertiva para os fatores de risco para a sua saúde, além de detectar e prevenir possíveis doenças.

Quando realizamos exames preventivos, podemos detectar doenças silenciosas ainda em sua fase inicial. Colesterol, diabetes, doenças cardiovasculares e até mesmo vários tipos de câncer podem ser detectados precocemente, facilitando as possibilidades de cura.

A importância desse check-up se torna ainda maior para pessoas que possuem algum fator de risco para a saúde. Um médico poderá determinar quais são e qual a frequência dos exames necessários para quem possui fatores de risco como:

 

São considerados fatores de risco

– Fumantes
– Sobrepeso e Obesidade
– Sedentários
– Histórico de doenças na família
– Má alimentação
– Apresentar alguns sintomas frequentes como dores pelo corpo, palpitações ou taquicardia, fraqueza, fadiga, entre outros.

 

Exames que podem ser pedidos para o check-up

Na consulta médica, o clínico geral ou o médico de família fará um diagnóstico levando em conta o histórico de família e vai solicitar uma série de exames de acordo com o que julgar necessário. A lista de exames pode variar de acordo com o sexo, idade e outros fatores detectados em consultório médico.

Os exames mais comuns são:
– Exame de pressão
– Exame de fezes e urina
– Exame de sangue
– Raio X (principalmente do tórax)
– Eletrocardiograma
– Glicemia

Para as mulheres, podem ser solicitados exames ginecológicos específicos como:

– Mamografia
– Papanicolau
– Ultrassonografia da mama e/ou pélvica
– Histeroscopia

Para os homens, dependendo da idade e do histórico familiar, também poderá ser solicitado o exame de próstata em seu check-up.

Consulte o seu médico e faça os seus exames regularmente. Prevenção é o melhor remédio!

Outubro Rosa: Passo a passo de como realizar o autoexame

Outubro Rosa: Passo a passo de como realizar o autoexame

O Outubro Rosa é uma campanha de adesão mundial e tem como objetivo principal alertar a população sobre o diagnóstico precoce do Câncer de Mama.

São várias as classificações do câncer de mama, com diferentes estágios e formas de evolução. Em algumas pessoas, o câncer pode evoluir mais rápido do que outras, de acordo com as características singulares de cada tipo de tumor. De acordo com o Instituto INCA (Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva), de todos os casos de câncer registrados no Brasil, o câncer de mama fica atrás apenas do câncer de pele (não melanoma) com 29% dos casos. Apesar de ser raro, os homens também não estão fora de risco e representam 1% dos casos registrados.

Ressaltamos a importância da realização do diagnóstico precoce da doença e neste post, trouxemos para você algumas dicas de como realizar o autoexame no conforto de sua casa.

 

Fique atenta aos sintomas

De acordo com o Ministério da Saúde, os principais sintomas do câncer de mama são:
– Edema cutâneo (na pele), semelhante à casca de laranja na região das mamas;
– Retração cutânea;
– Dor;
– Inversão do mamilo;
– Hiperemia (aumento da quantidade de sangue na região) causando vermelhidão e sensação de calor;
– Descamação ou ulceração do mamilo;
– Secreção, especialmente quando é unilateral e espontânea.

 

Como realizar o autoexame:

Passo 1
Na frente do espelho, com os braços abaixados, observe o aspecto das mamas.

 

Passo 2
Coloque as mãos acima da cabeça e note se há alguma modificação no contorno dos seios ou dos mamilos.

 

Passo 3
Com o braço levantado, utilize os dedos da outra mão e faça movimentos circulares, do mamilo até as axilas. Repita do outro lado.

 

Passo 4
Aperte o mamilo com cuidado para não machucar e veja se sai algum tipo de secreção.

 

OBS: É recomendado realizar o autoexame entre o 7.º e o 10.º dia do ciclo menstrual.

É muito importante, que ao notar qualquer alteração nas mamas, procure um médico imediatamente. Lembrando que o autoexame não dispensa as consultas preventivas realizadas em consultório médico. Faça seus exames clínicos regularmente!

 

Publicado em:

março 25, 2020

Compartilhar

Endereço:

Av. Jabaquara 1771 – Saúde

São Paulo / SP

Telefone / Fax: +55 (11) 3508.0300

Telefone: 0800 940 3210

E-mail: [email protected]